Reflexão do dia

Oi gente….

Ontem o dia foi cheio, como eu gosto!

Tive sessão de fotos das maravilhosas semi-jóias da Lidi para mostrar em breve aqui no blog e também aconteceu na city uma super palestra com a publicitária, escritora, colunista de moda Cris Guerra – autora do primeiro blog de looks do dia no Brasil, “o hoje Vou Assim”, sobre o tema “Talento e inspiração: transformando adversidades em oportunidades”, a palestra foi organizada pelo Núcleo de Moda e Sebrae.

Assim que eu conseguir, trago mais informações a respeito, ok.

Mas para dar uma diferenciada e falar um pouco sobre comportamento e opinião, e vocês sabem o quanto gosto disso, hoje apresento à vocês mais um texto da querida escritora Rosane machado de Andrade, que nos brinda com mais um assunto que merece nossa atenção e nos convida a refletirmos um pouquinho…. Vamos à leitura?

QUANTO VOCÊ PAGA PRA SER FELIZ?

                Conheço mulheres que estão em relacionamentos destrutivos. Mulheres que são literalmente infelizes. Doentes o tempo todo, com sua autoestima lá no subsolo. Cientificamente comprovado que quando temos muitas doenças, quando somos acometidas por aquela gripe intermitente, quando temos dores de estômago constantes, prisão de ventre…há algo que vai pra lá de mal.

                Não podemos descartar as doenças propriamente ditas que surgem de deslizes nossos como, por exemplo, em plena dieta saímos e vamos pra uma balada com pouca roupa, ingerindo álcool até a raiz dos cabelos… depois de três dias a tal da gripe vem. Mas aí sabemos que o resultado virá e por culpa e escolha nossa.

                A questão centra-se nas pessoas que nos cercam, amigas, colegas de trabalho… que reclamam do parceiro, reclamam do casamento, namoro, enfim, do que tem com o tal…Você até alerta para o principal motivo de tudo isso, mas ela alega que não sabe o porquê de continuar em um relacionamento assim… E nem adianta elencar as trocentas qualidades da moça, nem avisá-la que até o trabalho dela está indo de mal a pior em função de tudo isso.

                Quando você acha que ela caiu em si, que ela vai dar a volta por cima e seguir a vida amparada apenas em suas pernas, depara-se com suas fotos na rede social em uma viagem para algum lugar paradisíaco… com ele.

                O que dizer? O que pensar?  Ah, não é a sua vida, cada um com seu cada qual. Certo? Talvez se esta mesma pessoa assumisse que está com o ser que julga abominar justamente por dinheiro.

                Qual é o preço da sua felicidade? Quitar todas as contas em dia, poder ter bens materiais e viagens incríveis, postar no Facebook que foi a uma festa badaladíssima em outro estado, vestindo a última moda… mesmo que isso custe uns antibióticos, idas intermináveis a médicos e a eterna sensação de que nem tudo é o suficiente?

                Certa vez até achei que a felicidade tivesse um preço, uma quantificação monetária…Também não curto muito ter que contar os centavos todo o mês pra honrar contas do dia a dia e não me dar ao luxo de alguma comprinha desnecessária.

                Até achei que um dia ser ‘mulher bibelô’ poderia me deixar mais feliz…descansada…Qual nada…

                Tem uma coisa que caminha lado a lado com a felicidade que é a paz de espírito. É não ser obrigada a nada. É se saber sem grana, porque a conta da luz veio com mais bandeiras que uma final de copa, que o condomínio nunca é pago em dia…e que o aluguel este mês talvez também atrase…

                Felicidade é ter a saúde em ordem e disposição pra prosseguir atrás de nossos objetivos sustentada por nossas próprias pernas, e junto a  pessoas com as quais nos sintamos bem.    

 

Rosane Machado de Andrade – Escritora Rosane

                

Então… vale ou não vale uma reflexão?

Beijinhos da Ká

Comente aqui

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

thirteen − 1 =